Sagarana

Sagarana é uma obra do escritor brasileiro Guimarães Rosa, sendo a primeira a sair em livro. Trata-se de um livro com nove contos, os quais começaram a ser escritor no ano de 1937, dando à obra em sua versão inicial 500 páginas. O livro foi reduzido e reorganizado, sendo por fim publicado em 1946, com 300 páginas. Pode-se constatar em “Sagarana” o estilo marcante de Guimarães Rosa, em especial sua oralidade forte, que seria encontrada em praticamente todas as suas demais obras. O autor utilizou também seu processo peculiar de inventar palavras, o hibridismo – o ato de formar novas palavras pela junção de radicais de línguas distintas. Assim foi composto o título da obra, já que Saga tem origem germânica e significa “canto heroico”; enquanto rana possui origem indígena e quer dizer “espécie de”.

Sagarana

Foto: Reprodução

Sobre o autor e sua obra

Nascido em 1908, em Minas Gerais, Guimarães Rosa formou-se em Medicina na Universidade Geral de Minas Gerais, e passou então a exercer a profissão no interior do Estado, onde teve seu contato inicial com a realidade do sertão. Essa experiência foi fundamental para a formação de Guimarães como escritor, já que o sertão, os vaqueiros e jagunços era comumente a base de suas obras, exatamente como ocorre em “Sagarana”.

Outra interessante curiosidade sobre Guimarães Rosa é que, em 1961 o escritor recebeu o Prêmio Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras. Acabou candidatando-se à Academia e em 1963 foi eleito por unanimidade. Porém, Rosa não tomou posse de imediato, pelo contrário, adiou a cerimônia o máximo que pudera. Dizia ele que temia morrer no dia do evento, tomando posse apenas em 16 de novembro de 1967. Após três dias do acontecimento, em 19 de novembro de 1967, Guimarães Rosa faleceu de infarto subitamente em seu apartamento, no Rio de Janeiro.

Primeiro conto: O Burrinho Pedrês

Personagens principais:

  • Sete-de-Ouros (burrinho pedrês);
  • Francolim;
  • Major Saulo;
  • Badu.

Enredo: O burrinho pedrês, de nome Sete-de-Ouros, havia sido no passado de grande utilidade para os vários donos que o possuíram. No entanto, agora não passava de um burro decrépito que vivia esquecido na fazenda de Major Saulo. Para seu azar, atravessava a fazenda quando foi avistado pelo Major, que prontamente o escala para auxiliar a transportar o gado. Todos os vaqueiros e cavalos falecem, com exceção de Badu e Francolim.

Segundo conto: A volta do marido pródigo

Personagens principais:

  • Maria Rita;
  • Lalino Salathiel;
  • Major Anacleto;
  • Ramiro.

Enredo: Lalino era o típico malandro do sertão que não queria saber de trabalho, apenas de vida mansa. Parte para o Rio de Janeiro, abandonando o trabalho e a esposa, Maria Rita. Ao retornar, sua agora ex-esposa encontra-se casada com Ramiro, o espanhol. Lalino entra em contato com Major Anacleto e acaba tornando-se seu cabo eleitoral. Posteriormente, Lalino se reconcilia com Maria Rita e eles reatam.

Terceiro conto: Sarapalha

Personagens principais:

  • Primo Argemiro;
  • Primo Ribeiro.

Enredo: É a estória de dois primos que foram contagiados pela malária no vau de Sarapalha. A doença havia se espalhado por toda a região, por isso boa tarde da população morrera e a outra fugira, incluindo Luísa, a esposa de Ribeiro. Notando que a morte de ambos se aproximava, Argemiro desejava morrer de consciência tranqüila, assim confessa ao primo que era interessado por sua esposa, causando uma grande briga e sendo expulso por Ribeiro de forma agressiva.

Quarto conto: Duelo

Personagens principais:

  • Cassiano Gomes;
  • Turíbio Todo;
  • Vinte-e-um;
  • Silvana.

Enredo: Silvana trai seu marido, Turíbio, com o ex-militar Cassiano Gomes e é flagrada pelo marido. Transtornado e com a honra ferida, Turíbio se confunde e acaba tirando a vida do irmão de Cassiano, o que o faz fugir para o sertão. Cassiano persegue Turíbio, mas acaba adoecendo e, antes de falecer, auxilia um capiau de nome Vinte-e-um que passava por grandes dificuldades financeiras. O capiau encontra Turíbio e o mata para vingar seu benfeitor.

Quinto conto: Minha gente

Personagens principais:

  • Maria Irma;
  • Emílio;
  • Armanda;
  • Ramiro Gouveia.

Enredo: Maria Irmã é interessada por Ramiro Gouveia, que é noivo de outra moça. No entanto, ela atrai o interesse de seu primo, Emílio, que era candidato às eleições. Maria lhe apresenta Armanda, que se tornou sua futura esposa, e acaba se casando com Ramiro como desejara.

Sexto conto: São Marcos

Personagens principais:

  • Aurísio Manquitola;
  • José ou Izé;
  • João Mangolô.

Enredo: João Mangolô era um feiticeiro que constantemente sofria com as zombarias de José, o personagem-narrador. José recita para Aurísio Manquitola uma oração de São Marcos por pura zombaria, e é duramente repreendido, mas o pior ainda estaria por vir. Certo dia, subitamente o zombador fica cego, e se orienta por ruídos e cheiros que o levam até a casa de João Mangolô. Ao chegar lá, tenta estrangulá-lo e acaba retomando a visão, que o permite enxergar que Mangolô havia vendado um retrato de José para se vingar das zombarias que sofria.

Sétimo conto: Corpo fechado

Personagens principais:

  • Targino;
  • Manuel Fulô;
  • Feiticeiro Antonico das Pedras-Águas.

Enredo: É um conto que retrata o famoso ditado: “a grama do vizinho sempre é mais verde”. Manuel Fulô desejava uma sela pertencente ao feiticeiro Antonico, enquanto este cobiçava uma mula de Manuel. Ainda, Targino, um real valentão da localidade, cobiçava a noiva de Manuel Fulô. A estória gira então em torno de um troca de favores para que cada um conseguisse vencer seu oponente ao mesmo tempo que buscava conquistar seu objeto de desejo.

Oitavo conto: Conversa de bois

Personagens principais:

  • Didico;
  • Tiãozinho;
  • Soronho;
  • Agenor;
  • Boi Brilhante.

Enredo: Enquanto Tiãozinho, o guia de um carro de bois que carregava uma carga de rapadura e o corpo de seu pai falecido, se lamentava e chorava com o companheiro Didico, o boi Brilhante passava a diante para os outros bois a história do boi Rodapião, que aprendeu a pensar como os homens e por isso falecera. Agenor, outro carreiro, judia dos bois obrigando-os a subirem ladeiras desnecessárias, até que eles se vingam e matam seu algoz.

Nono conto: A hora e a vez de Augusto Matraga

Personagens principais:

  • Augusto Esteves;
  • Major Consilva;
  • Ovídio Moura;
  • Nhô Augusto;

Enredo: Augusto Esteves mandava em todo o pequeno povoado que vivia, até ver a vida mudar com a morte de seu pai. Por ser filho pródigo, perdera todos os bens para Major Consilva, seu inimigo, e até mesmo sua esposa e filha, que giram com Ovídio Moura. Buscando satisfações, acaba por ser espancado e quase morto, desistindo de recuperar a vida que possuía e dedicando-se ao trabalho. Visa trabalhar arduamente para pagar por seus pecados e recuperar o céu, mas acaba travando uma luta com um jagunço, na qual ambos morrem.