A Moreninha

Alguns amigos decidem viajar para a Ilha de Paquetá, para uma estadia na casa da avó de um deles. Filipe, o rapaz que convidou os amigos para a casa da avó, contou-lhes sobre suas irmãs e primas que estariam presentes no local, deixando todos os jovens na flor da idade empolgados. Augusto, no entanto, permaneceu indiferente e alheio ao assunto. Sua indiferença fez Filipe propor-lhe uma aposta: caso no período de 15 dias ele se apaixonasse por alguma mulher presente, deveria pagar escrevendo para os amigos um romance. “A Moreninha” é o romance fruto desta aposta.

A busca pelo amor da infância

Livro a moreninha

Imagem: Reprodução

Após muitas brigas e discussões, já que Augusto recusa-se à ser gentil e atencioso com as moças presentes, Dona Ana chama-o para conversar na gruta. Lá ela explica a lenda do local, que conta a estória de uma moça que apaixonara-se por um índio e, ao não ser correspondida, chorava dia e noite, dando origem à fonte presente, tida por todos como encantada. Augusto então, aproveitou-se para abrir seu coração e contar das paixões que teve na vida. Em especial, a de uma menininha que conheceu aos 13 anos de idade e jurou amar eternamente, embora sequer soubesse o nome dela. Enquanto contava a história de sua vida, o rapaz escutou uma melodia em voz feminina, e questionou a Dona Ana sobre quem estava cantando. Era Carolina, irmã de Filipe.

No período em que esteve na Ilha de Paquetá, Augusto não pôde evitar que se apaixonasse por Carolina, a Moreninha, mas percebia que ela era um sucesso entre os rapazes, principalmente para Fabrício, seu amigo e que também estava apaixonado por ela. Assim, Augusto precisou findar sua estadia e retomar seus estudos em casa, prometendo voltar para conquistar Carolina assim que fosse possível. A moreninha também sentiu sua falta, mas o pai de Augusto, interessado que o filho focasse totalmente nos estudos, o impediu de voltar para a ilha. O rapaz ficou tão abatido que adoeceu, e por fim convenceu seu pai de que necessitava voltar para Carolina.

O reencontro

Finalmente, após diversos empecilhos, Augusto e Carolina permitem-se conhecer melhor – no caso, reconhecer – ficam noivos e então ela lhe faz uma exigência inesperada: que ele procure, noive e se case com a garotinha por quem foi apaixonado na infância. Após algum tempo a moreninha revela para Augusto que ela era a menina em questão, e o destino havia os reunido para que pudessem cumprir a promessa que fizeram um ao outro na inocência que apenas duas crianças poderiam ter.