A Cartomante

“A Cartomante”, de Machado de Assis, é uma das melhores e mais envolventes obras literárias brasileiras vindas do realismo. O romance inicia-se com um diálogo entre Rita e seu amante, Camilo. A moça confidencia ao rapaz que procurou uma cartomante para saber sobre o futuro, pois tinha muito medo de perdê-lo. Camilo pacientemente a acalma, dizendo que não precisa se preocupar, pois ele muito a deseja. Salienta, em tom de chacota, que caso deseje saber sobre seus sentimentos, é melhor perguntar diretamente para ele, e não para uma cartomante.

Livro A Cartomante

Imagem: Reprodução

A dificuldade em esconder o amor proibido

Camilo era amigo de infância de Vilela, marido de Rita. Ambos sempre estiveram juntos, e Camilo sempre buscou respeitar o casamento do amigo. No entanto, as coisas perderam o controle quando o pai do rapaz faleceu. Vilela e Rita empenharam-se em cuidar dele e dar-lhe forças, Rita, em especial, aproveitou os cuidados que estava tendo para com o rapaz e tentou seduzi-lo. Camilo não resistiu aos encantos de Rita e eles se tornaram amantes.

Rita e Camilo passaram a enganar Vilela e encontrarem-se sempre, inclusive por diversas vezes na casa do próprio casal, imaginando que o marido traído jamais desconfiaria de algo. Tudo ia bem, até o amante receber uma carta anônima dizendo que todos já sabiam do caso que ele estava tendo com a esposa de Vilela. Assustado e com medo de como o amigo reagiria, Camilo passa a frequentar cada vez menos a casa do casal, chegando a ficar meses sem por os pés lá.

Vilela percebe o afastamento do amigo e sempre o questiona, mas o rapaz desconversa e lhe responde com uma desculpa qualquer. Rita continua se encontrando com o amante, cada vez com mais medo e procurando ser mais discreta. Moça sonhadora e insegura, teme ser descoberta, mas teme com ainda mais força perder Camilo. Busca sempre que pode profetisas e cartomantes que acalmem seu ansioso coração quanto ao futuro.

Algumas semanas após a ida de Rita à cartomante para questionar seu futuro com Camilo, Vilela vai, progressivamente, tornando-se mais frio e calado. Sem entender o que está se passando com o marido e, preocupada com a possibilidade de que ele esteja desconfiando de algo, Rita pede a Camilo que vá até a casa deles e tente descobrir algo durante uma conversa com Vilela. O amante hesita, mas não por muito tempo. Recebe um bilhete de Vilela pedindo para procurá-lo em sua casa o quanto antes.

O trágico desfecho

Ciente de que se esconder de Vilela não seria a melhor opção e o tornaria praticamente um réu confesso, Camilo decide atender ao pedido de seu amigo e oponente. No caminho, preocupado com o que possa acontecer e com a possibilidade de ter sido descoberto, o rapaz vai até a cartomante que atendeu Rita. Desabafa e pede que ela lhe conte o que está para acontecer. Como fazia com todos os clientes, a cartomante o acalma, diz que seu destino é ficar unido à Rita e que pode ir tranquilo para a casa de Vilela que nada de mal irá lhe acontecer. Ela demonstra saber tudo o que está acontecendo – mais do que o rapaz lhe contou – e utiliza de metáforas e palavras cultas para transmitir credibilidade e fazer o rapaz – assim como seus outros clientes – acreditar que ela era a dona e conhecedora da verdade absoluta.

Camilo então segue rumo à residência de Vilela. Chegando lá, mal tem tempo de bater na porta, quando Vilela a abre e faz sinal para que ele entre. Ao entrar, o choque é inevitável: Camilo avista Rita, sua amante, morta e totalmente ensanguentada no chão. Vilela então puxa o ex amigo pela gola e o mata com dois tiros.

Sobre o autor

Tido por muitos como o maior escritor brasileiro, Machado de Assis foi fundador e primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras, embora mal tenha estudado e sequer tenha cursado uma universidade. De família pobre, Machado de Assis pôde escrever sobre praticamente todos os gêneros literários, além de ter sido excelente jornalista, dramaturgo, crítico, poeta, romancista, ensaísta e novelista.

Suas obras mais destacadas e aclamadas por crítica e público são “Memórias Póstumas de Brás Cubas” e “Dom Casmurro”. “A Cartomante” enquadra-se numa visão mais pessimista e objetiva da vida. O escritor mostra as contradições humanas através de seus personagens.