Cinco Minutos

“Cinco Minutos” é o primeiro romance do renomado escritor brasileiro José de Alencar, um dos maiores romancistas que a literatura nacional já viu. Publicado em 1856, “Cinco Minutos” teve seu início como capítulos de folhetins escritos no jornal Diário do Rio de Janeiro. Alguns meses depois, com todos os capítulos já publicados, eles foram reunidos em uma única obra, um livro que seria oferecido aos assinantes do jornal como brinde. O sucesso do romance foi tamanho que, ao contrário do que se imaginara, muitas pessoas que não eram assinantes do jornal procuraram comprar o volume do livro. José de Alencar sabia como ninguém tocar o íntimo de seus leitores, os fazendo imaginar – e quase vivenciar – as cenas que narra, e “Cinco Minutos” mostra estas qualidades do escritor com perfeição. Não se tratava de um romance enjoativo, exagerado; muito menos de uma obra monótona, mas sim de um livro com doses exatas de romance e suspense, capazes de prender o leitor do primeiro ao último capítulo. Por ser José de Alencar um grande nome da Literatura Brasileira, o conteúdo de suas obras é comumente exigido em provas de concursos e vestibulares, incluindo o livro aqui em questão. Assim, tire proveito do resumo que se segue, tanto para poder vivenciar a beleza de um amor sem limites, quanto para estar preparado em nível literário para provas futuras. Lembrando que nenhum resumo substitui o prazer inconfundível de ler a obra original de forma completa.

Cinco Minutos

Foto: Reprodução

Encontro de almas

Muitos acreditam que cinco minutos não possuem a capacidade de transformar a vida de alguém. No entanto, atrasado por cinco minutos, o rapaz em questão entrou no ônibus. Dirigiu-se ao fundo, sentou-se e percebeu que, ao lado de seu banco estava uma moça. Trajada de volumosa seda, era impossível notar seu rosto, mas a atração sentida de imediato fora algo quase inenarrável.

Em questão de poucos segundos, o braço de um tocava no braço do outro, não de maneira discreta – como se beirasse ao sem querer – mas sim com força, como se ambos desejassem aquele toque. Ele, de forma precipitada, lhe beija o ombro, e sente então seu delicioso perfume. Imaginara que seria uma moça feia por não enxergar seu rosto, mas em sua concepção, só uma mulher imensamente bela poderia utilizar tão marcante fragrância. Antes do que ele pudesse esperar, o ônibus pára. Ela se despede lhe dizendo simplesmente: “não se esqueça de mim”. E assim fora embora a mulher que ele conhecera graças aos seus cinco minutos de atraso. A mulher que lhe mudaria toda a vida.

Apaixonado por uma desconhecida

Soaria como uma grande tolice dizer aos outros, mas ele estava profundamente apaixonado. Não apenas apaixonado, mas vivendo um amor que sequer sabia como realizar. Afinal, ele não sabia seu nome, não vira seu rosto e não sabia onde ela morava, apenas sabia que precisava encontrá-la, e assim a buscou incansavelmente.

Algum tempo depois, reconhecera a voz de sua amada numa senhora, e temeu ser ela sua amada. Mas não era. Rapidamente descobriu que a mulher que tanto buscara era filha dessa senhora. Encontrou então uma carta assinada por pela mulher objeto de seu amor – ela se chamava Carlota, seu nome é revelado apenas após longos capítulos do livro – dizendo que o amava, mas que o romance entre eles era desgraçado.

Desiludido e sentindo-se maltratado após tanta procura, ele decide ir embora para tentar esquecê-la. No entanto, antes que pudesse colocar seu plano em ação, se arrepende de não tentar conquistá-la e encontra outra carta, na qual Carlota afirmava estar de partida para Petrópolis. Contava também que o motivo de considerar o romance desgraçado era o fato de que ela se encontrava condenada à morte por uma triste doença, que poderia ceifar sua vida a qualquer momento. Portanto, ela lhe dava a opção de escolher uma nova amada saudável e esquecê-la, ou ir atrás dela e amá-la.

Lutando pelo amor

Assim se dava início à incessante busca dele pela mulher de sua vida, e por suas cartas. Prontamente ele partiu para Petrópolis, encontrando em seu caminho todos os contratempos que se podem imaginar, como a morte por exaustão do cavalo que o carregava e o atraso que lhe fez perder a baia. Acabou por importunar um pescador que lhe levou ao seu destino.

Quando conseguiu finalmente chegar onde esperava encontrar sua amada, encontrou apenas mais uma carta. De maneira incrível, Carlota afirmava que sabia de seus esforços e entendia sua chegada tardia pelos contratempos, mas que agora estava viajando para a Europa.

Ele parte para a Europa, e em cada correio pára para encontrar uma carta de sua amada, indicando o caminho que o levaria até ela. Quando por fim se encontraram, comemoraram o encontro de duas almas gêmeas perfeitas. Ela lhe pediu então que, antes de morrer, ganhasse de seu amado um beijo que selasse sua morte. Ele a beija e, para a surpresa de todos, ela deseja tanto viver para usufruir daquele amor, que acaba por ser curada. O amor a curou. Eles se casam e desfrutam por muitos anos a companhia e o amor um do outro, algum tempo na Europa, posteriormente de volta ao Brasil. Vivem intensamente o amor que encontraram, graças aos cinco minutos de atraso.